Bloomsday

ulysses 05

A história se repete todos os anos: no dia 16 de junho, leitores de James Joyce se reúnem ao redor do mundo para celebrar o autor de Ulysses (1922), obra que se passa integralmente no dia 16 de junho de 1904 quando Leopold Bloom, o protagonista, passa perambulando por Dublin.
Nesse dia, os fãs de Joyce e que vivem em Dublin, vestem-se com roupas de época e caminham pelos cenários do romance, param pelo caminho para um café da manhã com torradas, salsicha e feijão, ou invadem os pubs, bebem o que podem, jogam dardos e se esbaldam.

O legado de José Bonifácio

O legado de José Bonifácio

Neste 13 de junho José Bonifácio de Andrada e Silva faria 250 anos. O Brasil tem muito a comemorar. Ele foi antes de tudo um visionário, um homem fiel ao seu tempo, que nos deixou um legado inestimável. Somos hoje um país com unidade nacional, dotado de um poder central legitimamente constituído. Somos ainda uma nação sem grandes conflitos raciais, pois temos um povo produto da miscigenação. Grande parte do que somos e conquistamos deve-se ao papel desempenhado por José Bonifácio e ainda hoje enfrentamos mazelas sociais que o “Patriarca da Independência” já combatia em sua época.
Seu pensamento inovador antecede a independência do país. Foi ele o artífice do documento “Lembranças e apontamentos”, apresentado por seis deputados paulistas na Constituinte de Lisboa, em 1821. Alí estavam as principais propostas de José Bonifácio para o Brasil: o estabelecimento de um governo geral executivo; a instrução pública com o aumento das escolas e a criação de pelo menos uma universidade; a fundação de uma cidade no Brasil Central para ser a sede do governo nacional. De fato, suas propostas eram “revolucionárias”: abolição do tráfico, extinção da escravidão, incorporação dos índios à sociedade, transformação do regime de propriedade agrária com a substituição do latifúndio pela subdivisão de terras, preservação e renovação das florestas.
Chama a atenção sua preocupação com a educação, com a reforma agrária e meio ambiente, temas extremamente atuais. Talvez sua maior contribuição para o país tenha sido a defesa intransigente de uma organização democrática, com sistema representativo e garantias constitucionais. Certamente a cultura política nacional estaria muito mais avançada se todos os homens públicos de hoje se espelhassem no exemplo de José Bonifácio de fortalecer as instituições democráticas, de dedicar a sua vida a um projeto de nação.
O legado de José Bonifácio é incompatível com a prática não republicana de quem corrói as instituições por dentro, ao guiar-se, exclusivamente, por seus projetos e ambições pessoais. Seremos uma Nação melhor quando os valores defendidos pelo Patriarca da Independência forem incorporados à cultura política do país.

Mario Covas

por Hubert Alquéres

Mario Covas

Esse blog começa com uma pequena homenagem a quem me levou para a vida pública. Deixei as aulas que adorava ministrar e a direção do Colégio Bandeirantes em 31 de dezembro de 1994. Fui trabalhar com Mario Covas que havia sido eleito Governador de São Paulo numa disputada eleição daquele ano. Atuei na Secretaria de Estado da Educação como secretário adjunto durante todo o seu mandato, a partir de 1o de janeiro de 1995. Rose Neubauer, grande especialista em avaliação escolar e na formação de professores, era a Secretária de Educação. Trabalhar com os dois foi uma experiência única. E lidar com uma rede de 6 mil escolas, 230 mil profissionais e 6 milhões de alunos, um desafio onde pude aprimorar meus conhecimentos como gestor e educador. Mario Covas topou todas as propostas que fizemos. Ele era um homem de caráter, tinha um enorme espírito público e sabia como ninguém reunir gente em torno de si. Carismático e cheio de liderança, promoveu importantes avanços em São Paulo. Em especial na área da educação onde modernizou as escolas com equipamentos e materiais pedagógicos, investiu maciçamente na formação e capacitação de professores, descentralizou o comando da rede municipalizando centenas de escolas e reorganizou a rede que passou a atender faixas etárias em escolas diferentes. Perdemos Mario Covas em março de 2001 depois de uma longa luta contra o câncer. A foto registra um momento na inauguração de uma escola na periferia humilde da cidade de Mauá, na grande São Paulo. Ele já estava com os cabelos curtos devido ao tratamento quimioterápico. Eram dias em que ele vivia intensamente, com um enorme senso de urgência e um amor gigantesco pelo que fazia na tentativa de melhorar a vida das pessoas. Até hoje Mario Covas é um norte, todos os dias, e um dos politicos que o Brasil tem toda razão em admirar e ter como exemplo.